Libərˈdad(ə) | 21 e 22 de Abril | Auditório Municipal Orlando Ribeiro

AF_Cartaz-Lugar ComumA Companhia Lugar Comum e o Centro de Artes e Formação apresentam o espectáculo:

Libərˈdad(ə), dias 21 e 22 de Abril, 21h30 no Auditório Orlando Ribeiro em Telheiras.

Se​ ​a dança​ ​é uma arte que​ ​o​ ​encanta, já sabe que ​este ​é um espectáculo a não perder. Mas se vai dar os​ ​seus primeiros passos na descoberta e entendimento da dança contemporânea, não poderia escolher melhor oportunidade! Novos criadores e um projecto emergente​…​​ ​no Lumiar. De um modo ou de outro, a descoberta deste espectáculo será um daqueles momentos que ficarão para sempre. O Lumiar está em movimento, vai ficar parado?

Os espectáculos são de entrada livre mas com reserva prévia obrigatória, na Alameda das Linhas de Torres, 156 em Lisboa, pelo telefone 217 541 350 ou através do endereço de e-mail info@jf-lumiar.pt.

Sinopse

I Parte| Seremos, Nós, Livres?

1. Condição do ser que pode agir consoante as leis da sua natureza

2. Direito que qualquer cidadão tem de agir sem coerção ou impedimento segundo a sua vontade, desde que dentro dos limites da lei.

3. Capacidade própria do ser humano de escolher de forma autónoma, segundo motivos definidos pela sua consciência.

Esta peça retrata uma viagem cronológica da liberdade em todas as suas maneiras. É a exploração da ideia do sujeito livre e da sua reação quando a sua “Liberdade” lhe é barrada.

Como reagimos quando a nossa liberdade nos é tirada? Será que sabemos o que é não ser livre? Sinceramente? Já nascemos livres, nascemos num tempo em que a liberdade é um direito. Será que a tomamos por garantida? Ou sabemos nós o valor que a liberdade tem? O quanto custou? A quem custou?

Esta peça não é resposta a nada. É, para já, uma tentativa falhada, de mostrar a realidade humana nas suas piores facetas.

II Parte | Um dia serei Livre…

Já alguma vez deixou de fazer o que queria por causa de alguém? Qual foi a última vez que fez as suas coisas exactamente da forma como as queria fazer?

A Mulher, o Homem, o Outro Homem e Um Homem, mostram-nos o que somos, como somos e o que sentimos.

Eles são o que todos nós fazemos, vivem no presente, mas a mente é do passado, está ultrapassada. Reservam-se no seu conforto, comodismo, na ideia que têm de amar, na sua forma de perdoar…

Encerram a Mulher sem se aperceberem disso, pois na sua realidade “uma pessoa não é um espaço em que se esteja encerrado”, e ela procura mas nunca encontra nos outros aquilo que para ela será a resposta e solução para tudo.

Eles, os outros, os compromissos, o espaço, o Filho são quem tem o poder, quem decide por ela, por nós, são a quem cedemos a nossa liberdade, respiramos menos.

Alguma vez, sentado no seu sofá, pensou o quanto custa a sua respiração?

Ficha técnica e artística

Seremos, Nós, Livres?

Grupo de dança Wesa: Beatriz Andrade, Inocêncio Gonçalves, Nelma dos Santos, Rafaela Barreto e Suse Rodrigues.

Coreografias: Nuno Varela e Rafael Barreto.

Viagem Cronológica:

1ª Mistura racial, como ela é agora

2ª Viagem ao passado: Escravidão, como ela foi

3ª Igualdade de Sexos: Emancipação da Mulher

4ª Extermínio de uma raça: 2ª Guerra Mundial

5ª Antes, Durante e Depois: 25 de Abril

6ª Manifesto geral, actual- a realidade: Seremos, Nós, Livres?

Um dia serei Livre…

Encenação e coreografia: Rafael Barreto

Textos: David Bernardino e Liberdade de Jon Fosse

Música: Ólafur Arnalds

Adaptação Musical: Artur Guimarães

Desenho de Luz: H.c Franco

Figurinos: Cláudio Alves

Concepção de figurinos: Maria dos Prazeres

Intérpretes: David Bernardino, Nuno Varela, Rafael Barreto e Xénia Miranda.

 
Sexta-feira 21 Abril 2017 às:
Cultura Notícias